Recuperação de Fachadas com Pastilhas e Cerâmicas BH | Restauração de Pintura em Fachadas BH | Recuperação de Fachadas BH | Revitalização de Fachadas BH | Reforma e Revitalização de Fachadas Prediais BH | Manutenção de Fachadas BH | BH Pintor BH | BH Reformas Prediais BH | Belo Horizonte Reforma Predial Belo Horizonte | Responsabilidade civil do síndico BH e Região | Reforma ou manutenção da sua fachada BH e Região | Responsabilidade civil do condomínio BH e Região | Reforma reformas Belo Horizonte e Região | Manutenção limpeza e impermeabilização de fachadas BH e Região

FALTA DE MANUTENÇÃO PODE LEVAR SÍNDICO E CONDÔMINO À JUSTIÇA.

 

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) condenou um condomínio de Brasília a indenizar um condômino que gastou recursos próprios para realizar um conserto emergencial na tubulação de um prédio comercial. O mau funcionamento da rede hidráulica acabou por provocar um alagamento na unidade onde funciona um sindicato. De acordo com os autos, o condômino alertou o síndico sobre a necessidade de realizar os reparos, mas foi ignorado. O prejuízo foi de R$3,5 mil, que o condomínio foi obrigado a ressarcir a entidade.

 

Casos como esse não são raros e demonstram que o síndico deve ficar permanentemente atento à necessidade de realizar manutenções. Devem ser verificadas a estrutura do prédio, as redes hidráulica e elétrica, sistemas de segurança, funcionamento de portões e elevadores e até as condições dos brinquedos do playground.

 

Nessas análises, o síndico deve observar se há rachaduras superficiais ou profundas, vazamentos, fios com risco de curto circuito ou mau funcionamento dos equipamentos. Em caso de algum problema, ele deve procurar imediatamente uma empresa especializada naquele reparo e corrigir o dano no menor tempo possível. “Se o síndico não fizer esses reparos, pode ser responsabilizado se houver alguma consequência mais grave”, diz o presidente do Sindicon MG, advogado especializado em direito condominial, Carlos Eduardo Alves de Queiróz.

 

A mesma consciência devem ter os proprietários das unidades. Caso um apartamento ou sala apresente problemas que possam comprometer o vizinho ou o próprio prédio, o dano deve ser consertado imediatamente, sob risco de penalização. "Chegou ao conhecimento do Sindicon MG um caso de um condômino que foi condenado pela Justiça de Minas Gerais a reparar financeiramente o vizinho de baixo, que perdeu renda por não conseguir alugar o apartamento por um problema de vazamento que não era dele.

 

O dono do apartamento superior foi obrigado a fazer a reforma e, além disso, a indenizar o outro proprietário pelos alugueis perdidos e pelos custos com taxa de condomínio e IPTU", conta Carlos Eduardo. "Por isso, reforçamos a orientação de que síndicos e condôminos fiquem atentos às reformas reparadoras que têm que ser feitas", conclui o presidente.

 

Caso seja necessário fazer um conserto de telhado, calha ou até mesmo uma simples limpeza de caixa de gordura, por exemplo, o condomínio deve aproveitar o período de seca, que vai até meados de outubro, para providenciar os reparos. A manutenção do prédio não só evita problemas graves como valoriza os imóveis.

 

Fonte: Sindicon MG

 

Moradores devem realizar manutenção periódica na garagem para evitar que as infiltrações comprometam a edificação e coloquem em risco a segurança. Transtorno também desvaloriza o imóvel

 

Queda de revestimento assusta moradores de prédio em Belo Horizonte

 

Acidente ocorreu na noite de sábado (05/06/21). Ninguém ficou ferido. Defesa Civil e Corpo de Bombeiros estiveram no prédio, que não precisou ser interditado.

 

Revestimento caiu de apartamento no sétimo andar (janela à direita da foto) no Carlos Prates(foto internet: Jair Amaral/EM/DA Press).

 

Moradores de um prédio no Bairro Carlos Prates, Região Noroeste de Belo Horizonte, se recuperam de um susto ocorrido nesse sábado (05/06/21). Durante a noite, por volta das 23h, um forte barulho chamou a atenção no condomínio e eles descobriram que parte do revestimento da fachada havia caído do 7º andar. Ninguém ficou ferido e apenas a entrada foi interditada.

 

O revestimento do edifício ficava debaixo de uma das janelas do apartamento da enfermeira Nieli de Matos Freire, que é síndica. “Ouvi uns estalos e, de repente, aquele barulho horroroso. Corri para ver se foi um acidente (de trânsito). Quando eu olho para baixo, aquele tanto de pedras. Nem vi que era no apartamento”, contou.

 

Alguns vizinhos estavam dormindo e desceram correndo pelas escadas, evitando o elevador. As pessoas temiam que um botijão tivesse explodido. Só quando chegou ao térreo Nieli viu de onde a placa, revestida de pastilhas, havia caído.

 

Entrada do prédio foi interditada pela Defesa Civil por segurança(foto internet: Jair Amaral/EM/DA Press)

 

Ela acionou o Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil para vistoria. “Eles viram que foi uma infiltração na fachada mesmo, não foi interno. Como foi na fachada, há o risco de todos terem essa infiltração. A orientação foi para não usar a frente do prédio para nada, nem garagem e nem entrada de pedestres. Eles autuaram o condomínio para contratar uma empresa para isolar e colocar telas até fazer a reforma”, detalhou.