Rachaduras em condomínios: o que fazer quando elas aparecem?

 

Rachaduras, trincas, fissuras e fendas.

Se você mora em um prédio e costuma reparar na estrutura do edifício, provavelmente já se deparou com alguma dessas falhas no seu condomínio.

Apesar do aparecimento de algumas dessas imperfeições serem comuns com o passar do tempo, além de interferirem na aparência do prédio, elas também podem ser um sinal de alerta para as condições de segurança do condomínio, e por isso devem receber atenção redobrada de síndicos e moradores.

Trinca, fissura, rachadura ou fenda? - Entenda a diferença entre elas.

Esses rompimentos encontrados principalmente nas paredes e pisos dos condomínios, são classificadas segundo sua espessura, e não segundo seu comprimento, como muitos acreditam.

Essa ordenação é muito importante, já que, quando essas imperfeições são identificadas ainda com uma espessura pequena, ou seja, no estágio inicial de abertura, elas podem ser reparadas com mais facilidade, e principalmente, por um custo muito mais baixo, em comparação a reparação de uma fenda, por exemplo.

Confira abaixo os valores:

Fissura: abertura de até 0,5 milímetro;

Trinca: de 0,5 mm a 1 mm;

Rachadura: de 1 a 1,5 mm;

Fenda: superior a 1,5 mm

Outros fatores também são cruciais para o acompanhamento da evolução dessas deficiências na estrutura, como mudança de cor e a presença de água vertendo da abertura, ambos são sinais de que o problema está progredindo.

Nesses casos, principalmente no aparecimento de água, é necessário a ajuda urgente de um profissional, para evitar que esse problema chegue a um estágio de infiltração mais grave.

Por que essas rachaduras aparecem?

Essas imperfeições podem surgir por diversos motivos. Os mais comuns são causas naturais, como o assentamento da obra no terreno (principalmente nos casos de fissuras em prédios mais novos), efeitos térmicos, por exemplo a dilatação e contração dos elementos da estrutura e também o “movimento” do prédio, já que os materiais utilizados na construção são suscetíveis às pequenas movimentações causadas nas estruturas, e acabam irrompendo as superfícies por consequência.

Além disso, podem ocorrer também por causas externas, como obras em algumas unidades do prédio, infiltrações e até outras construções nas proximidades têm o potencial de ocasionar o aparecimento de rachaduras nas paredes, já que a vibração,  ou movimentação proveniente do terreno, no caso de uma nova edificação é muito grande e a estrutura do prédio pode não estar preparada para suportar.

O que fazer ao identificar uma rachadura no condomínio?

Caso seja identificada uma abertura, desde as pequenas até as mais expressas é aconselhável procurar um especialista, para que ele avalie a situação da abertura, e oriente sobre como consertá-la ou reforçar a estrutura existente.

Vale lembrar que quanto antes identificados esses rompimentos na superfície, mais fácil, seguro e econômico será o reparo. E a máxima de “prevenir é melhor do que remediar”, faz-se regra quando o assunto é segurança no condomínio. Portanto, é de suma importância fazer avaliações periódicas da estrutura do prédio com um perito e manter-se atento ao aparecimento de deficiências nas estruturas do seu condomínio.

Mofo: fungos causam alergia e até de doenças psiquiátricas